Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Sala de Imprensa > Notícias > Cautelar do Tribunal de Contas suspende licitação da prefeitura de Colinas do Tocantins
Início do conteúdo da página
Quinta, 11 Julho 2019 00:00

Cautelar do Tribunal de Contas suspende licitação da prefeitura de Colinas do Tocantins

Possíveis irregularidades foram detectadas no processo de contratação

Por meio de medida cautelar, o Tribunal de Contas do Tocantins (TCE/TO) determinou a suspensão da Tomada de Preços nº 002/2019 (Processo nº 2019000126) da prefeitura de Colinas do Tocantins, no qual foram detectadas possíveis irregularidades pelos técnicos da Coordenadoria de Análise de Atos, Contratos e Fiscalização de Obras e Serviços de Engenharia (Caeng).

 

A decisão cautelar emitida pela 5ª Relatoria e publicada no Boletim Oficial do TCE na quarta-feira, 10, suspende o processo cujo objeto compreende a contratação de empresa especializada em prestação de serviços técnicos profissionais administrativos para revisão de grau de Risco de Acidente de Trabalho (RAT), a análise do Fator Acidentário de Prevenção (FAP) e a apuração e a compensação dos valores pagos indevidamente ou maior na alíquota Contribuição do Grau de Incidência de Incapacidade Laborativa decorrente dos Riscos Ambientais do Trabalho (GILRAT), bem como a recuperação de pagamentos efetuados indevidamente junto à Receita Federal do Brasil e ao INSS.

 

Dentro das irregularidades apontadas, a prefeitura estaria promovendo a terceirização de atividades que fazem parte da finalidade do órgão ou inerentes às categorias funcionais abrangidas pelo plano de cargos da contratante. De acordo com a decisão, o Executivo terá que apresentar dados dos últimos cinco anos quanto à ocorrência de acidentes de trabalho e seus consectários financeiras, bem como a relação nominal de todos os servidores do município.

 

Diante dos fatos constatados e do possível dano aos cofres públicos, o prefeito de Colinas do Tocantins, Adriano Rabelo da Silva, tem um prazo de 15 dias para prestar esclarecimentos sobre as irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas.

Lido 121 vezes
Fim do conteúdo da página